quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

CRÊ EM TI MESMO; O CORAÇÃO VIBRA AO SOM DESTA CORDA (R. W. Emerson)

Além de motivos fisiológicos e poéticos, o coração é, do ponto de vista existencial, um órgão vital. Como cardiologista, devo admitir que este órgão é tão importante para a vida quanto para o amor e para a fé. Ele pulsa ao ritmo de nossa existência, enviando sangue e nutrientes para cada célula de nosso corpo, desde a segunda semana de gestação até o fim de nossas vidas. Nele reside, mais que em muitos órgãos, nossa alegria e nosso prazer de viver e de fazer boas obras ao longo de nossa existência.
O coração fala por nós e de nós. Mais que músculos, ele é emoção; mais que órgão, ele é sentimento; mais que cavidade e valvas, ele é abertura; mais que movimento, ele é receptáculo; mais que vibração e condução nervosa, ele é aspiração; mais que componente do corpo, ele é alma! Por essa razão, é imprescindível cuidar muito bem dele e saber entender os seus sinais mais que tudo, pois segundo George Sand, cada um tem a idade do seu coração, da sua experiência e da sua fé.
Nascemos com a necessidade de aprender tudo nesta vida, sobretudo a viver e a sobreviver. Entretanto, pode ser que ainda não aprendemos essa lição. Lançamo-nos na vida como quem já sabe o caminho e seus segredos, como um experiente viajante ou navegador que sabe bem como trilhar ou desbravar. Mas a arte de saber viver é, de longe, mais necessária e mais difícil.
O coração representa toda a vida e tudo o que ela contém. Do coração dependem todas as coisas, todos os ensinamentos e todos os aprendizados. Dele nascem os grandes desejos sufocados, a cada instante, por não ouvirmos a sua voz. Dentro do peito, ele é o símbolo do valor e do sentido da vida. Toda crise vivida pelo ser humano, todo conflito vivido pela humanidade significam uma crise no coração. Todos sofrem e morrem do coração. Por isso, ele é o símbolo incontestável do amor, da paixão, da beleza, da alegria, da esperança. É no coração onde nascem e morrem todos os nossos ideais.
O coração toma conta de nossas ações; é onde encontramos a força e a Sabedoria. Devemos usá-lo e entendê-lo como a mais autêntica expressão da confiança e do respeito por si mesmo. A meu ver, o coração é como uma “gruta” em que nasce e se acumula a arte de bem viver.


Nossa sociedade precisa, urgentemente, de uma só coisa: coração! Para resolver questões políticas, sociais, educativos, de saúde, morais, religiosas de todas as espécies. Coração aberto faz com que as mãos se abram, os ouvidos se abram, os passos se alarguem no caminho, os olhos se abram e a alma se expanda, plenificando o próprio ser.

2 comentários:

  1. Um texto muito apropriado para o atual momento de crise
    mundial pela qual estamos passando.

    ResponderExcluir
  2. Como escrevi no último parágrafo: coração aberto e simples para atingirmos a plenitude do Amor, da Graça no ser humano e, consequentemente, na humanidade. Precisamos urgentemente de corações pulsantes de vida, de sentimentos verdadeiros, do Divino!

    ResponderExcluir