sábado, 8 de outubro de 2016

O SUCESSO COMEÇA QUANDO APRENDEMOS A RESPEITAR OS LIMITES DO OUTRO


A solidariedade humana começa quando respeitamos a opinião alheia com serenidade. A serenidade é uma virtude grandiosa, ao lado da humildade, da fidelidade aos propósitos, do bom caráter, da retidão. Ser uma pessoa serena é irradiar estabilidade e firmeza em todos os momentos da vida. É nítido quando encontramos essa pessoa (além de nós, é claro!); ela não se deixa abater por períodos ruins e cansativos, estressantes e aparentemente sem saída. Não é qualquer resposta triste ou notícia desagradável que a desestrutura, pois ela tem raízes firmes que a sustentam e a manteem inabalável. Ela é uma pessoa sadia, que descansa em si mesma. Ela confia sem temos no Criador de todas as coisas, que nos ama e nos manteem vivos e fiéis. Assim, ela continua crescendo, expandindo suas raízes de modo mais profundo na terra, com os olhos fitos no céu, com humildade sem perder a ética.

E o que vem a ser ética? São os valores e princípios que regem nossa vida, fazendo brotar a moral e captando os ideais que nos fortalecem enquanto pessoas de bem, famílias, sociedade. A ética nos ajuda a caminhar sem medo; ela nos faz “beber” da fonte da vida, “hidratando” nossa identidade. A ética também nos guia para caminharmos pelo caminho do amor e da felicidade, com retidão, com motivação e muito ânimo em empreender mais e mais, fazendo progressos cada vez maiores.

Ouvir mais e falar menos: esse é o tema de hoje de nossa conversa diária. Afinal, temos dois ouvidos e uma boca, não é mesmo? Torna-se sábio aquele que aprende a ouvir os outros, seus anseios, suas dúvidas, seus pesares; importa ter compaixão (= sofrer com), sem, é claro, nos deixar abater em demasia, a ponto de bloquearmos e não continuarmos nossa jornada.

Os sábios chineses antigos pregavam a serenidade e a compreensão como formas de abandono das fantasias e pretensões humanas. Eles tornam-se serenos, mantendo a liberdade interior, uma vez que aceitam, com muita naturalidade, o que lhe vem ao encontro.

O diálogo vem da compreensão e do entendimento do outro. Contudo, é preciso autoconhecimento para não se deixar abater, de buscar diariamente a motivação, de cultivar a autoestima, a fim de obter equilíbrio emocional, para então, nos sentir seguros para dialogar, para compreender, para viver em sociedade, com solidariedade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário